Uma análise da adesão de organizações brasileiras à GRI como método de divulgação de informações de responsabilidade social corporativa

Palavras-chave: Responsabilidade Social Corporativa. Divulgação. Global Reporting Initiative. Adesão. Brasil.

Resumo

Objetivo: As organizações têm publicado relatórios de responsabilidade social corporativa (RSC) visando divulgar sua responsabilidade social. Nesse sentido, a Global Reporting Initiative (GRI) desenvolve modelos estruturados de relatórios de sustentabilidade que auxiliam as organizações na sua elaboração e divulgação. O presente trabalho tem como objetivo analisar a evolução da adesão à GRI e a qualidade dos relatórios de RSC divulgados por organizações brasileiras.

Metodologia: Coletou-se os dados de todas as organizações brasileiras que aderiram à GRI, no período 2000-2017, num total de 461 organizações e 2.142 observações. Fez-se uma análise descritiva e testes de diferença de proporções.

Resultados: Os resultados mostram que houve um crescimento relevante do número de organizações brasileiras que aderiram à GRI, observando-se um crescimento anual médio em torno de 48%. As organizações empresariais são as que mais divulgam ação social via GRI, embora também haja organizações de outra natureza. Verifica-se uma predominância forte de empresas de grande porte. Relativamente à qualidade da informação, percebe-se que cerca de 90% das demonstrações já seguem as diretrizes da GRI, e mais da metade ainda não é submetido a processo de auditoria externa. Observa-se um avanço, mesmo que pequeno, da divulgação de relatórios que integram informações financeiras e de cunho social.

Contribuições do Estudo: O estudo sobre o disclosure de relatório de RSC no formato GRI fornece à comunidade acadêmica informação sobre o quanto este instrumento de divulgação tem sido considerado relevante por organizações empresariais ou não no Brasil. Esta busca crescente por divulgação de RSC via GRI pode dever-se ao objetivo de legitimação de estratégias e práticas organizacionais, como também de criação de valor e melhoria de reputação organizacional.  Como contribuição tem-se a análise detalhada da evolução da divulgação de relatórios GRI pelas organizações brasileiras. Além disso, o estudo contribui ao sinalizar que a GRI tem se firmado como um importante meio para a divulgação de informações de ações socioambientais para organizações brasileiras. Do ponto de vista acadêmico, a pesquisa colabora ao avançar nos estudos relativos ao disclosure voluntário e ao aprofundar a análise da qualidade dos relatórios GRI elaborado pelas organizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vicente Lima Crisóstomo, Federal University of Ceará-UFC.

Doctor in Finance by University of Valladolid, Spain. Associate Professor at the Federal University of Ceará-UFC.

Hyane Correia Forte, Federal University of Ceará (UFC).

MSc degree in Management and Accounting by Federal University of Ceará (UFC).

Priscila de Azevedo Prudêncio, Federal University of Ceará (UFC).

MSc degree in Management and Accounting by Federal University of Ceará (UFC). Graduate Program in Management and Accounting (FEAAC/UFC).

Referências

Adams, C. A. (2015). The International Integrated Reporting Council: A call to action. Critical Perspectives on Accounting, 27, 23–28.

Ahmed, K., & Courtis, J. K. (1999). Associations between corporate characteristics and disclosure levels in annual reports: a meta-analysis. The British Accounting Review, 31(1), 35-61. doi: https://doi.org/10.1006/bare.1998.0082

Ambrozini, L. S. (2017). Pressões internas e externas na utilização de padrões de divulgação de informações socioambientais amplamente aceitos: uma análise sobre estrutura de governança corporativa, ambiente institucional e a perspectiva de legitimação. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(31), 03-25. doi: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n31p3

Archel, P., Husillos, J., Larrinaga, C., & Spence, C. (2009). Social disclosure, legitimacy theory and the role of the state. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 22(8), 1284-1307.

Bebbington, J., Larrinaga-González, C., & Moneva-Abadía, J. M. (2008). Legitimating reputation/the reputation of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(3), 371-374. doi: 10.1108/09513570810863969

Bebbington, J., Larrinaga, C., & Moneva, J. M. (2008). Corporate social reporting and reputation risk management. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(3), 337-361. doi: http://dx.doi.org/10.1108/09513570810863932

Bertoncello, S. L. T., & Júnior, J. C. (2007). A importância da Responsabilidade Social Corporativa como fator de diferenciação. FACOM(17), 70-76.

Bouten, L., Everaert, P., Van Liedekerke, L., De Moor, L., & Christiaens, J. (2011). Corporate social responsibility reporting: A comprehensive picture? Accounting Forum, 35(3), 187-204. doi: 10.1016/j.accfor.2011.06.007

Braga, C., Silva, P. P., & Santos, A. (2014). Environmental disclosure in the Brazilian electricity sector. International Journal of Innovation and Sustainable Development, 8(1), 37-52.

Brown, J. A., & Forster, W. R. (2013). CSR and Stakeholder Theory: A Tale of Adam Smith. Journal of Business Ethics, 112(2), 301-312. doi: 10.1007/s10551-012-1251-4

Buzby, S. L. (1975). Company Size, Listed Versus Unlisted Stocks, and the Extent of Financial Disclosure. Journal of Accounting Research, 13(1), 16-37.

Carroll, A. B. (1999). Corporate Social Responsibility: Evolution of a Definitional Construct. Business & Society, 38(3), 268-295.

Cochran, P. L. (2007). The evolution of corporate social responsibility. Business Horizons, 50(6), 449-454.

Collis, J., & Hussey, R. (2004). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação (2 ed. Vol. 1). Porto Alegre: Bookman.

Conceição, S. H., Dourado, G. B., & Silva, S. F. (2012). Global reporting initiative (gri) - um estudo exploratório da prática de evidenciação em sustentabilidade empresarial na américa latina. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 2(3), 17-38.

Crisóstomo, V. L., Prudêncio, P. A., & Forte, H. C. (2017). An Analysis of the Adherence to GRI for Disclosing Information on Social Action and Sustainability Concerns. In A. Belal & S. Cooper (Eds.), Advances in Environmental Accounting & Management: Social and Environmental Accounting in Brazil (Vol. 6, pp. 69-103): Emerald Publishing Limited.

De los Ríos Berjillos, A., Ruiz Lozano, M., Tirado Valencia, P., & Carbonero Ruz, M. (2012). Una aproximación a la relación entre información sobre la responsabilidad social orientada al cliente y la reputación corporativa de las entidades financieras españolas. Cuadernos de Economía y Dirección de la Empresa, 15(3), 130-140.

Deegan, C. (2002). The legitimising effect of social and environmental disclosures – a theoretical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 282-311. doi: http://dx.doi.org/10.1108/09513570210435852

Deegan, C., Rankin, M., & Tobin, J. (2002). An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from 1983-1997: A test of legitimacy theory. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15 (3), 312-343.

Deegan, C., Rankin, M., & Voght, P. (2000). Firms’ disclosure reactions to major social incidents: Australian evidence. Accounting Forum, 24, 101-130.

Deephouse, D. L., & Carter, S. M. (2005). An Examination of Differences Between Organizational Legitimacy and Organizational Reputation. Journal of Management Studies, 42(2), 329-360. doi: 10.1111/j.1467-6486.2005.00499.x

Dowling, J. B., & Pfeffer, J. (1975). Organizational legitimacy: Social values and organizational behavior. Pacific Sociological Review, 18(1), 122-136.

Firth, M. (1979). The Impact of Size, Stock Market Listing, and Auditors on Voluntary Disclosure in Corporate Annual Reports. Accounting and Business Research, 9(36), 273-280. doi: 10.1080/00014788.1979.9729168

Flower, J. (2015). The International Integrated Reporting Council: A story of failure. Critical Perspectives on Accounting, 27, 1-17.

Freeman, R. E., Rusconi, G., Signori, S., & Strudler, A. (2012). Stakeholder Theory(ies): Ethical Ideas and Managerial Action. Journal of Business Ethics, 109(1), 1-2. doi: 10.1007/s10551-012-1374-7

Freeman, R. E., Wicks, A. C., & Parmar, B. (2004). Stakeholder Theory and “The Corporate Objective Revisited”. Organization Science, 15(3), 364–369.

Gallego-Álvarez, I., & Quina-Custodio, I. A. (2016). Disclosure of corporate social responsibility information and explanatory factors. Online Information Review, 40(2), 218-238. doi: http://dx.doi.org/10.1108/OIR-04-2015-0116

García-Sánchez, I.-M., & Noguera-Gámez, L. (2018). Institutional Investor Protection Pressures versus Firm Incentives in the Disclosure of Integrated Reporting. Australian Accounting Review, 28(2), 199-219. doi: 10.1111/auar.12172

Garcia, S., Cintra, Y. C., Ribeiro, M. S., & Dibbern, B. R. S. (2015). Qualidade da divulgação socioambiental: um estudo sobre a acurácia das informações contábeis nos relatórios de sustentabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 67-94. doi: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p95

Gisbert, A., & Lunardi, V. (2012). A evolução da RSC no Brasil entre as empresas listadas na Bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 6(1), 90-111.

Gray, D. E. (2011). Pesquisa no mundo real (2 ed.). Porto Alegre: Penso.

GRI. (2015). Sustainability Disclosure Database. Retrieved 24 fev. 2016, from https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/GRI-Data-Legend-Sustainability-Disclosure-Database-Profiling.pdf

Harrison, J. S., Bosse, D. A., & Phillips, R. A. (2010). Managing for stakeholders, stakeholder utility functions, and competitive advantage. Strategic Management Journal, 31(1), 58-74. doi: 10.1002/smj.801

Husted, B. W., & Allen, D. B. (2007). Strategic Corporate Social Responsibility and Value Creation among Large Firms: Lessons from the Spanish Experience. Long Range Planning, 40(6), 594-610.

Jamali, D. (2008). A Stakeholder Approach to Corporate Social Responsibility: A Fresh Perspective into Theory and Practice. Journal of Business Ethics, 82, 213–231.

Kiliç, M., & Kuzey, C. (2018). Determinants of forward-looking disclosures in integrated reporting. Managerial Auditing Journal, 33(1), 115-144. doi: https://doi.org/10.1108/MAJ-12-2016-1498

Loderer, C., & Waelchli, U. (2010). Protecting Minority Shareholders: Listed versus Unlisted Firms. Financial Management, 39(1), 33-57. doi: 10.1111/j.1755-053X.2009.01065.x

Lopes, A. C., De Luca, M. M. M., Góis, A. D., & Vasconcelos, A. C. (2017). Disclosure socioambiental, reputação corporativa e criação de valor nas empresas listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 364–382.

Madalena, J. D., Rover, S., Ferreira, D. M., & Ferreira, L. F. (2016). Estudo dos Relatórios de Sustentabilidade GRI de Empresas Brasileiras. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 20(1), 566-579.

Margolis, J. D., & Walsh, J. P. (2003). Misery Loves Companies: Rethinking Social Initiatives by Business. Administrative Science Quarterly, 48(2), 268-305.

McWilliams, A., & Siegel, D. S. (2001). Corporate social responsibility: A theory of the firm perspective. The Academy of Management Review, 26(1), 117-127.

Meek, G. K., Roberts, C. B., & Gray, S. J. (1995). Factors Influencing Voluntary Annual Report Disclosures By U.S., U.K. and Continental European Multinational Corporations. Journal of International Business Studies, 26(3), 555-572. doi: 10.1057/palgrave.jibs.8490186

Michelon, G. (2011). Sustainability Disclosure and Reputation: A Comparative Study. Corporate Reputation Review, 14(2), 79-96. doi: 10.1057/crr.2011.10

Murcia, F. D.-R., & Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPEC), 3(2), 72-95.

Nikolaeva, R. N., & Bicho, M. L. N. (2011). The role of institutional and reputational factors in the voluntary adoption of corporate social responsibility reporting standards. . Journal of the Academy of Marketing Science, 39(1), 136-157.

Reis, S. G., Cintra, Y. C., Ribeiro, M. d. S., & Dibbern, B. R. S. (2015). Qualidade da divulgação socioambiental: um estudo sobre a acurácia das informações contábeis nos relatórios de sustentabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 67-94. doi: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p67

Ricardo, V. S., Barcellos, S. S., & Bortolon, P. M. (2017). Relatório de sustentabilidade ou relato integrado das empresas listadas na BM&FBOVESPA: fatores determinantes de divulgação. RGSA - Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(1), 90-104. doi: http://dx.doi.org/10.24857/rgsa.v11i1.1233

Robertson, D. C., & Nicholson, N. (1996). Expressions of corporate social responsibility in U.K. firms. Journal of Business Ethics, 15(10), 1095-1106.

Roesch, S. M. A. (2005). Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração: Guia Para Estágios, Trabalhos de Conclusão, Dissertações e Estudos de Caso (3 ed.): Editora Atlas.

Seramim, R. J., Zanella, T. P., & Rojo, C. A. (2017). A sustentabilidade e gestão da imagem: um estudo de caso em cooperativa agroindustrial do oeste do Paraná. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(3), 15-33. doi: 10.5585/geas.v6i3.469

Silva, E. A., Freire, O. B. D. L., & Silva, F. Q. P. O. (2014). Indicadores de Sustentabilidade como Instrumentos de Gestão: Uma Análise da GRI, Ethos E ISE. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(1), 130-148. doi: 10.5585/geas.v3i2.130

Silva, T. L. G. B., Maia, L. C. C., & Leal, E. A. (2017). Grau de aderência aos indicadores de desempenho ambiental do gri em um mercado emergente: uma análise em empresas com potencial poluidor em dois segmentos. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 21-36.

Suchman, M. C. (1995). Managing legitimacy: Strategic and institutional approaches. The Academy of Management Review, 20(3), 571-610.

Sutantoputra, A. W. (2009). Social disclosure rating system for assessing firms’ CSR reports. Corporate Communications: An International Journal, 14(1), 34-48. doi: 10.1108/13563280910931063

Thomson, I. (2015). ‘But does sustainability need capitalism or an integrated report’ a commentary on ‘The International Integrated Reporting Council: A story of failure’ by Flower, J. Critical perspectives on accounting, 27, 18-22.

Tilling, M. V., & Tilt, C. A. (2010). The edge of legitimacy: voluntary social and environmental reporting in Rothmans’ 1956-1999 annual reports. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 23, 55-81.

Tullberg, J. (2013). Stakeholder theory: Some revisionist suggestions. The Journal of Socio-Economics, 42, 127-135. doi: doi:10.1016/j.socec.2012.11.014

Udayasankar, K. (2008). Corporate Social Responsibility and Firm Size. Journal of Business Ethics, 83, 167-175.

Van Staden, C. J., & Hooks, J. (2007). A comprehensive comparison of corporate environmental reporting and responsiveness. The British Accounting Review, 39(3), 197-210. doi: 10.1016/j.bar.2007.05.004

Waddock, S. A., & Graves, S. B. (1997). The corporate social performance-financial performance link. Strategic Management Journal, 18(4), 303-319.

Publicado
01-07-2020
Como Citar
VICENTE LIMA CRISÓSTOMO; HYANE CORREIA FORTE; PRISCILA DE AZEVEDO PRUDÊNCIO. Uma análise da adesão de organizações brasileiras à GRI como método de divulgação de informações de responsabilidade social corporativa. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 2, 1 jul. 2020.
Seção
Seção 7: Internacional (S7)