Tratamento e análise de resíduos da produção de açaí: um estudo sob a ótica da ecoeficiência

Palavras-chave: contabilidade ambiental; gestão socioambiental; ecoeficiência; resíduos de açaí.

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa teve como principal objetivo levantar junto aos estabelecimentos de venda de açaí da Região Metropolitana de Belém – PA (RMB), qual tratamento está sendo designado aos resíduos (caroços de açaí), tendo como parâmetros de análise o ponto de vista contábil e o socioambiental, sob a ótica da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), dentro de um contexto de ecoeficiência.

Metodologia:Foi realizada pesquisa exploratória, transversal, por meio de levantamento, junto à 80 estabelecimentos de produção de açaí da RMB.

Resultados: Os resultados apontaram que os respondentes, em parte, possuem conhecimento acerca da gestão socioambiental e do que é impacto socioambiental, entretanto, não possuem plano de gerenciamento de resíduos sólidos, e, na percepção da maioria deles, a obrigatoriedade de realizar a correta destinação dos caroços de açaí é da prefeitura, o que demonstra desconhecimento acerca das diretrizes da PNRS. Quanto ao tratamento dos resíduos do açaí, a maioria respondeu que os caroços são destinados a aterros, a despeito das possibilidades de reaproveitamento. Quando analisado o tratamento dos resíduos pela ótica contábil-financeira, observou-se como inexistente, o que pode estar associado com o tipo de formalização (ou a sua falta) e o fato de não terem apoio profissional para realizar a gestão do negócio.

Contribuições do Estudo: O presente trabalho visa contribuir para a discussão acerca da importância de estabelecer planos de incentivo e/ou orientação para o reaproveitamento, para que os empreendedores de açaí possam desfrutar dos benefícios financeiros e melhor contribuir para a redução dos impactos ambientais, realizando uma gestão ecoeficiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Athayde Moreira, Professor from the Universidade da Amazônia (UNAMA) and Universidade Federal do Pará (UFPA).

Ph. D. in Accounting by Universidade de São Paulo (USP).

Ana Lidia Ferreira de Sousa, Universidade Federal do Pará (UFPA).

Graduated in Accounting Sciences by Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

Afonso, T., Zanon, M. Â. G., Locatelli, R. L., & Afonso, B. P. D. (2016). Consciência ambiental, comportamento pró-ambiental e qualidade de gerenciamento de resíduos em serviços de saúde. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 5(3), 106-119.

Avabel. (2018). Lista de estabelecimentos com selo de qualidade 2018. Recuperado Fevereiro 22, 2019 de http://www.avabel.com.br/institucional/.

Aygadoux, A. P. (2016). Você conhece o Açaí? Natural Joias. Recuperado Abril 03, 2019 dehttp://naturaljoias.com.br/blog/voce-conhece-o-acai/.

BCSD Portugal. (2013). Manual do Formando: A ecoeficiência na vida das empresas.Recuperado Fevereiro 23, 2019 de https://www.bcsdportugal.org/wp-content/uploads/2013/10/BEE-Manual-do-Formando.pdf.

Braga, D. G. (2019). Tratamentos químicos das fibras do mesocarpo de açai para a produção de filmes de nanocelulose e nanocompósitos de quitosana. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Rural da Amazônia, Pará, Brasil.

Bufalino, L., Guimarães, A. A., Silva, B. M. D. S. E., de Souza, R. L. F., de Melo, I. C. N. A., de Oliveira, D. N. P. S., &Trugilho, P. F. (2018). Local variability of yield and physical properties of açai berry waste and improvement of its energetic attributes by separation of lignocellulosic fibers and seeds. Journal of Renewable and Sustainable Energy, 10(5), 053102.

Cassels, S., & Lewis, K. (2011). SMEs and environmental responsibility: do actions reflect attitudes? Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 18(3), 186-199.

CEBDS. (2015). A história do termoEcoeficiência. Recuperado Fevereiro 15, 2019 http://www.ecoeficientes.com.br/a-historia-do-termo-ecoeficiencia/.

Colares, A. C. V., & Moreira, M. A. (2014). Contabilização de resíduos gerados na atividade empresarial: uma constatação empírica em empresas situadas em Belo Horizonte. ConTexto, 14(26).

Cordeiro, T. R., de Almeida Paula, C. C., de Sousa, D. R., & Amorim, M. S. Aproveitamento do caroço do açai como fonte de energia térmica para as olarias do município de Bragança pará. (2017). VIII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Daher, D.M., Mineiro, A. A. C, Damaso, J., & Boas, A. A. V. (2012). As micro e pequenas empresas e a responsabilidade social: uma conexão a ser consolidada. IXSEGeT: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, Brasil.

Deus, E. G. S. Q., Afonso, B. P. D., & Afonso, T. (2014). Consciência ambiental, atitudes e intenção de uso das sacolas plásticas não-recicláveis. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(1), 71-87.

Eon, F. (2014). O que é responsabilidade social?. Recuperado Fevereiro 21, 2019 de http://www.responsabilidadesocial.com/o-que-e-responsabilidade-social/.

Farias Filho, M. C., & Arruda Filho, E. J. M. (2013). Planejamento da Pesquisa Científica. São Paulo: Atlas.

Farias Filho, M. C., da Silva, S. F., & da Silva, R. F. (2013). Ações de Responsabilidade Socioambiental de Agroindústrias de Polpa de Açai. Revista Reuna, 18(4), 21-36.

Flávio, L. (2017, fevereiro 06). Sobra de açai não tem coleta adequada. Recuperado Abril 15, 2019 de http://www.diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-392850-sobra-de-açai berry-nao-tem-coleta-adequada.html.

G1 Pará. (2017). Pesquisadores da Uepa buscam aproveitamento do caroço de açai. Recuperado Janeiro 30, 2019 de https://g1.globo.com/pa/para/noticia/pesquisadores-da-uepa-buscam-aproveitamento-do-caroco-de-açai berry.ghtml.

Ilomäki, M., &Melanen, M. (2001). Waste minimisation in small and medium-sized enterprises—do environmental management systems help? Journal of Cleaner Production, 9(3), 209-217.

Lavnitcki, L., Baum, C. A., &Becegato, V. A. (2018). Política Nacional dos Resíduos Sólidos: abordagem da problemática no Brasil e a situação na região sul. Ambiente & Educação-Revista de Educação Ambiental, 23(3), 379-401.

Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Longo, B. C., Ribeiro, I., de Carvalho, A. O., & Bertolini, G. R. F. (2017). Influência da demografia sobre a consciência ambiental e consumo ecológico. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(4), 136-150.

Martins, P. S., Escrivão Filho, E., &Nagano, M. S. (2015). Environmental management and business strategy in small and medium sized companies: a comparative case study. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 20(2), 225-234.

Nogueira, L.M., Figueiredo, F. J. C., & Muller, A. A. (2005). Açai berry: Sistemas de produção. Embrapa Amazônia Oriental.

Padilha, B. B., & Asta, D. D. (2014). A evidenciação contábil ambiental em empresas de tratamento de resíduos sólidos orgânicos. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(1), 88-106.

Pereira, H. M., Santa, A. A., & Andrade, B. (2012). O conceito de ecoeficiência e o papel das políticas públicas na efetivação da gestão ambiental. 3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente, Rio Grande do Sul, Brasil.

Pereira, M. A. V., & Moreira, M. A. (2018). Análise bibliométrica sobre práticas de gestão socioambiental na pequena empresa. P2P e Inovação, 5(1), 177-194.

Pereira, T. C. G. (2012). Política Nacional de Resíduos Sólidos: Nova regulamentação para um velho problema. Revista Direito e Justiça: Reflexões Sociojurídicas, 11(17), 191-202.

Portal Do Empreendedor. (2019). Dúvidas Frequentes. Recuperado Abril 29, 2019 de http://www.portaldoempreendedor.gov.br/.

Pott, C. M., & Estrela, C. C. (2017). Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos Avançados, 31(89), 271-283.

Reis, B. D. O., Silva, I. T. D., Silva, I. M. O. D, & Rocha, B. R. P. (2002). Produção de briquetes energéticos a partir de caroços de açai. Procedingsofthe 4th Encontro de Energia no Meio Rural, Minas Gerais, Brasil.

Reis, D. L. (2016). Questão ambiental: desenvolvimento sustentável e a empresa [Blog]. Recuperado dehttps://jus.com.br/artigos/53240/questao-ambiental-desenvolvimento-sustentavel-e-a-empresa

Resíduo da extração da polpa de açai gera problema ambiental. (2014, dezembro 21). Recuperado 2019, abril 16 de o liberal: http://www.ormnews.com.br/noticia/residuo-de-açai-gera-problema-ambiental-1.

Souza, J. (2018). Do concreto à biomassa: o reaproveitamento do caroço do açai [Web Page]. Recuperado dehttp://www.avabel.com.br/do-concreto-a-biomassa-o-reaproveitamento-do-caroco-do-açai berry/.

Souza, R. L. F., & Bufalino, L. (2017). Papéis mistos de fibras curtas recicladas com fibras longas de açai modificadas e não-modificadas. IV Congresso Amapaense de Iniciação Científica, Livro de resumos do IV congresso Amapaense de Iniciação Científica, Macapá, Brasil.

Vedoveto, M. (2008). Caracterização do mercado de açai (Euterpe oleracea Mart.) em Belém entre 2006 e 2008. Belém: Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia.

Williamson, D., Lynch-Wood, G., &Ramsay, J. (2006). Drivers of environmental behaviour in manufacturing SMEs and the implications for CSR. Journalof Business Ethics, 67(3), 317-330.

Publicado
01-07-2020
Como Citar
MARCIA ATHAYDE MOREIRA; ANA LIDIA FERREIRA DE SOUSA. Tratamento e análise de resíduos da produção de açaí: um estudo sob a ótica da ecoeficiência. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 2, 1 jul. 2020.
Seção
Seção 7: Internacional (S7)