Influência das características do decisor sobre os vieses da heurística da representatividade

Palavras-chave: Tomada de decisões; Heurística da Representatividade; Vieses

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa tem como objetivo verificar a influência das características demográficas na presença da heurística da representatividade e seus vieses na tomada de decisões.

Metodologia: Trata-se de uma pesquisa dedutiva, do tipo survey, quantitativa e descritiva. A amostra é composta por 93 alunos de Ciências Contábeis de uma universidade federal do Sul do Brasil. Utilizou-se o percentual de respostas e Regressão Logística para análise dos dados.

Resultados: Os resultados apontam que há equilíbrio ao analisar a média de respostas, sendo que 49,46% das respostas apresentam a influência de vieses da heurística da representatividade. Em contrapartida, 50,54% dos casos, os mecanismos racionais (sem viés) embasaram as decisões. Quanto as características demográficas, três dos cinco cenários apresentaram razão de chance significativa sobre a influência destes sobre as decisões de vieses da heurística de representatividade. Dentre as características, têm-se a idade, o gênero e o semestre que o respondente está cursando, como as mais significativas. Estes resultados reforçam a importância de atentar para a presença e uso de heurísticas e vieses na hora de tomar decisões e as consequências potenciais, nem sempre agradáveis, delas decorrentes.

Contribuições do Estudo: Contribui-se com a literatura e prática ao demonstrar quais características demográficas mais influenciaram a tomada de decisões com presença de vieses cognitivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Massa Fernandes, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

Darci Schnorrenberger, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutor em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Professor do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade - Universidade Federal de Santa Catarina

Rodrigo Rengel, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestrando em Contabilidade.

Referências

Bazerman, M. H. (2004). Processo decisório: Para cursos de Administração, Economia e MBAs 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora Campus/Elsevier.

Bowditch, J. L.; Buono, A. F. (1992). Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira.

Brooks, C., Sangiorgi, I., Hillenbrand, C., & Money, K. (2018). Why are older investors less willing to take financial risks?. International Review of Financial Analysis, 56, 52-72.

Bryman, A. (2012). Social research methods. 4 ed. New York: Oxford University Press.

Camerer, C. (2005). Three cheers—psychological, theoretical, empirical—for loss aversion. Journal of Marketing Research, 42(2), 129-133.

Coet, L. J., & McDermott, P. J. (1979). Sex, instructional set, and group make-up: Organismic and situational factors influencing risk-taking. Psychological Reports, 44(3_suppl), 1283-1294.

Dawson, R. (1994). Decisões certas e seguras sempre!. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Dohmen, T., Falk, A., Huffman, D., Sunde, U., Schupp, J., & Wagner, G. G. (2011). Individual risk attitudes: Measurement, determinants, and behavioral consequences. Journal of the European Economic Association, 9(3), 522-550.

Fagundes, E. (2019). Tolerância ao risco dos usuários: uma análise na tomada de decisões nos campos pessoal e organizacional. Dissertação Programa de Pós-Graduação em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, Brasil.

Fagundes, E., Schnorremberger, D., & Lunkes, R. J. (2018). Aversão ao risco na tomada de decisões organizacionais: análise da literatura e oportunidades de pesquisa. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(2), 19-36.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Takamatsu, R. T.; Suzart, J. (2014). Métodos Quantitativos com o Stata. Rio de Janeiro: Elsevier.

Francis, B., Hasan, I., Park, J. C., & Wu, Q. (2015). Gender differences in financial reporting decision making: Evidence from accounting conservatism. Contemporary Accounting Research, 32(3), 1285-1318.

French, S. (2009). Conceitos-chave em filosofia. Porto Alegre: Artmed.

Geetha, S. N., & Selvakumar, M. M. (2016). An analysis on the factors influencing risk tolerance level of individual investors. International Journal of Business Excellence, 9(2), 253-264.

Grable, J. E. (2000). Financial risk tolerance and additional factors that affect risk taking in everyday money matters. Journal of Business and Psychology, 14(4), 625-630.

Grable, J. E., & Joo, S. H. (2004). Environmental and biophysical factors associated with financial risk tolerance. Journal of Financial Counseling and Planning, 15(1).

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. Porto Alegre: Penso Editora.

Hallahan, T. A., Faff, R. W., & McKenzie, M. D. (2004). An empirical investigation of personal financial risk tolerance. FINANCIAL SERVICES REVIEW-GREENWICH-, 13(1), 57-78.

Hammond, J. S., Keeney, R. L., & Raiffa, H. (2017). Decisões inteligentes: como avaliar alternativas e tomar a melhor decisão. Alta Books Editora.

Jiambalvo, J. (2009). Contabilidade Gerencial. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

Kahneman, D. (2003). A perspective on judgment and choice: mapping bounded rationality. American psychologist, 58(9), 697.

Kahneman, D. (2012). Rápido e devagar. Duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva.

Leonard, N. H., Scholl, R. W., & Kowalski, K. B. (1999). Information processing style and decision making. Journal of Organizational Behavior: The International Journal of Industrial, Occupational and Organizational Psychology and Behavior, 20(3), 407-420.

Lima Filho, R. N., & Bruni, A. L. (2013). Quanto mais faço, mais erro? Uma análise sobre a presença de vieses cognitivos em julgamentos sobre orçamento. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 10(3).

Lucena, I. F. O., Gomes, L. F. O., Ferreira, P. S., & Lucena, W. G. L. (2011). Finanças Comportamentais: Um Estudo Com Profissionais Da Área Da Saúde Diante Da Aversão À Perda Financeira. Veredas Favip-Revista Eletrônica de Ciências, 4(1), 104-121.

Luppe, M. R., & Angelo, C. F. (2010). As decisões de consumo e a heurística da ancoragem: uma análise da racionalidade do processo de escolha. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 11(6).

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2015). Metodologia do trabalho científico. 7ª. ed. São Paulo: Atlas.

Martins, G. D. A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas.

Matsushita, K. (1993). Administração, Decisões e Responsabilidade: Série ideias e propostas. Brasília: Edição Sebrae.

Maxfield, S., Shapiro, M., Gupta, V., & Hass, S. (2010). Gender and risk: women, risk taking and risk aversion. Gender in Management: An International Journal, 25(7), 586-604.

Meier-Pesti, K., & Goetze, E. (2005). Masculinity and femininity as predictors of financial risk-taking: Evidence from a priming study on gender salience. ACR European Advances.

Montinari, N., & Rancan, M. (2013). Social preferences under risk: the role of social distance (No. 2013-050). Jena Economic Research Papers.

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª ed. Editora Feevale.

Ramiah, V., Zhao, Y., Moosa, I., & Graham, M. (2016). A behavioural finance approach to working capital management. The European Journal of Finance, 22(8-9), 662-687.

Rogers, P., Favato, V., & Securato, J. R. (2008). Efeito educação financeira no processo de tomada de decisões em investimentos: um estudo a luz das finanças comportamentais. In II Congresso ANPCONT-Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Salvador/BA.

Ross, G. D., Dala Nora, B., & Milani, B. (2015). Aversão ao risco em profissionais do setor financeiro. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 8.

Shepherd, D. A., Williams, T. A., & Patzelt, H. (2015). Thinking about entrepreneurial decision making: Review and research agenda. Journal of management, 41(1), 11-46.

Simon, H. A. (1979). Comportamento Administrativo: Estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. 3ª ed. Rio de Janeiro: FGV.

Souza, M. L. (2017). Finanças comportamentais: um estudo das publicações no Enanpad no período de 2003 a 2013. Conhecimento Interativo, 11(1), 59-74.

Stoner, J. A. F; Freeman, R. E. (1994). Administração. 5ª ed. Rio de Janeiro: PHB.

Sung, J., & Hanna, S. D. (1996). Factors related to risk tolerance. Financial counseling and planning, 7.

Tan, H. T., & Yates, J. F. (1995). Sunk cost effects: The influences of instruction and future return estimates. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 63(3), 311-319.

Thaler, R. H.; Sunstein, C. R. (2009). Nudge. O empurrão para a escolha certa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Tonetto, L. M., Renck, P. B., & Stein, L. M. (2012). Cognição, Design e Consumo: A racionalidade limitada na tomada de decisão. Estudos em Design, 20(2).

Tversky, A., & Kahneman, D. (1974). Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. science, 185(4157), 1124-1131.

Viscusi, W. K., Magat, W. A., & Huber, J. (1987). An investigation of the rationality of consumer valuations of multiple health risks. The RAND journal of economics, 465-479.

Yao, J., & Li, D. (2013). Bounded rationality as a source of loss aversion and optimism: A study of psychological adaptation under incomplete information. Journal of Economic Dynamics and Control, 37(1), 18-31.

Publicado
01-07-2020
Como Citar
MASSA FERNANDES, A.; SCHNORRENBERGER, D.; RENGEL, R. Influência das características do decisor sobre os vieses da heurística da representatividade. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 2, p. 298-317, 1 jul. 2020.
Seção
Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)