Diamante da fraude: evidências empíricas nos relatórios de demandas externas do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) dos municípios brasileiros

Palavras-chave: Auditoria. Fraude. Relatórios de Demanda Externa. Diamante da Fraude.

Resumo

Objetivo: Este estudo objetivou identificar e classificar as evidências de irregularidades encontradas pelos auditores e as justificativas dos gestores, presentes nas constatações e manifestações descritas nos relatórios da CGU, como os seguintes fatores: oportunidade, pressão, racionalização e a capacidade. Adicionalmente, analisa-se o perfil das evidências encontradas conforme características geográficas e populacionais dos Municípios brasileiros auditados pela CGU.

Metodologia: A interpretação do conteúdo dos relatórios de demanda externa foi fundamentada na técnica de análise de conteúdo e, a análise dos dados foi realizada com base em estatísticas descritivas, utilizando uma mostra de 259 relatórios de um total inicial de 725 relatórios. Os relatórios de Demanda Externa da CGU foram escolhidos em virtude de seu conteúdo possibilitar coletar informações relativas aos quatro constructos propostos no Diamante da Fraude.

Resultados: O estudo permitiu observar a presença dos quatro fatores da estrutura conceitual do Diamante da Fraude nas constatações dos auditores, e justificativas dos gestores descritas nos relatórios da CGU. Assim, os resultados apontam que as teorias do Triângulo e Diamante da Fraude podem explicar a ocorrência da prática de atos fraudulentos por parte dos gestores municipais brasileiros. Outro achado foi a significativa frequência de oportunidades para a execução de ato fraudulento. O elemento capacidade também se mostrou frequente nos achados do estudo, demonstrando que o cargo ocupado pelo indivíduo pode estar associado à ocorrência de irregularidades. Os constructos racionalização e pressão foram observados com menor frequência no conteúdo dos relatórios de fiscalização.

Contribuições do Estudo: Esses indicadores podem revelar possíveis ações de ineficácia, ineficiência, não efetividade social, risco político, risco moral e risco de investimento na aplicação dos recursos dos programas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABDULLAHI, R., & Mansor, N. (2015, 10). Fraud Triangle Theory and Fraud Diamond Theory. Understanding the Convergent and Divergent For Future Research. International Journal of Academic Research in Accounting, Finance and Management Sciences, 5.

Almeida, S. R. V., & dos Santos Alves, F. J. (2015, 06). Testando o Triângulo de Cressey no contexto da convergência às normas internacionais de contabilidade: um estudo empírico sobre comportamento ético de profissionais de contabilidade. Revista de Administração da UFSM, 8.

ASSOCIATION OF CERTIFIED FRAUD EXAMINERS (ACFE). What is Fraud? Disponível em https://www.acfe.com/fraud-101.aspx

Bardin, L. (2019, 08). Análise De Conteúdo. Tradução De Luís Antero Reto E Augusto Pinheiro.

Cohen, J., Ding, Y., Lesage, C., & Stolowy, H. (2010, 09). Corporate Fraud and Managers’ Behavior: Evidence from the Press. Journal of Business Ethics, 95, 271 – 315.

Condé, R., de Almeida, C. O. F., & Quintal, R. S. (2015, 11). Fraude contábil: Análise empírica à luz dos pressupostos teóricos do triângulo da fraude e dos escândalos corporativos. Gestão & Regionalidade, 31.

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO (CGU). (n.d.). Site da Controladoria-Geral da União (CGU). Dispo- nível em http://www.cgu.gov.br/

Cressey, D. R. (1954). Other People’s Money. A Study in the Social Psychology of Embezzlement. In (Vol. 19).

Dellaportas, S. (2013, 03). Conversations with inmate accountants: Motivation, opportunity and the fraud triangle. Accounting Forum, 37.

Fortunato, J. A., Santos, N., & Faroni, W. (2017). Diamante del Fraude: un estudio descriptivo en los Informes de Demandas Externas del Ministerio de Transparencia, Fiscalización Contraloría General de la Unión (CGU)..

INTERNATIONAL ORGANIZATION OF SUPREME AUDIT INSTITUTIONS (INTOSAI). (n.d.). International Standard of Supreme Audit Institutions (ISSAI) 1240 - Obligaciones del auditor en relación con el fraude en una auditoría de estados financieros. Disponível em http://www.issai.org/

Kassem, R., & Higson, A. (2012, 06). The New Fraud Triangle Model. Journal of Emerging Trends in Economics and Management Studies, 3.

L’Astorina, H. C., & Borenstein, D. (2011). Planejamento Anticorrupção em Obras Públicas e a Teoria do Triângulo da Fraude. In Xiv simpósio nacional de auditoria de obras públicas (SINAOP). Disponível em http://www.ibraop.org.br/acervo/XIVsinaop/docs/HumbertoLastorina.pdf

Machado, M., & Gartner, I. (2017, 08). Triângulo de fraudes de Cressey (1953) e teoria da agência: estudo aplicado a instituições bancárias brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14.

Murphy, P., & Dacin, T. (2011, 07). Psychological Pathways to Fraud: Understanding and Preventing Fraud in Organizations. Journal of Business Ethics, 101, 601 – 618.

Pires, B. M. G. (2014). Atitude dos gestores perante o relato financeiro fraudulento (Mestrado em Contabi- lidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais, Instituto Superior de Economia e Gestão). Disponível em http://hdl.handle.net/10400.5/7538

Santos, R., Amorim, C., & de Hoyos, A. (2010, 12). Corrupção e Fraude – Princípios Éticos e Pressão Situacional nas Organizações. Journal on Innovation and Sustainability. RISUS ISSN 2179-3565, 1.

Santos, R. A. (2011). Compliance como ferramenta de mitigação e prevenção da fraude organizacional. (Administração, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Disponível em https://www.cgu.gov.br/Publicacoes/controle-social/arquivos/6-concurso-monografias-2011.pdf

Sodre, A., & Alves, M. F. C. (2010, 06). Relação entre Emendas Parlamentares e Corrupção Municipal no Brasil: Estudo dos Relatórios do Programa de Fiscalização da Controladoria-Geral da União. Revista de Administração Contemporânea, 14.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. (2011). Normas de Auditoria Governamental. Boletim do Tribunal de Contas da União. Disponível em http://www.oas.org/juridico/PDFs/mesicic4_bra_TCU_portaria.pdf

Wolfe, D. T., & Hermanson, D. R. (2004, 12). The Fraud Diamond: Considering the Four Elements of Fraud. TheCPA Journal, 74, 38 – 42.

Publicado
01-07-2020
Como Citar
PEDROSA PASCHOAL, A. L.; DE ARAÚJO SANTOS , N.; FARONI, W. Diamante da fraude: evidências empíricas nos relatórios de demandas externas do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) dos municípios brasileiros. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 2, p. 136-156, 1 jul. 2020.
Seção
Seção 2: Contabilidade Aplicada ao Setor Público e ao Terceiro Setor (S2)