O impacto da adoção do IFRS 9 (CPC 48) nas perdas esperadas em crédito de liquidação duvidosa (PECLD) nas empresas brasileiras do setor de energia elétrica

Palavras-chave: Perdas Esperadas em Crédito de Liquidação Duvidosa, PECLD, CPC 48, Empresas de Energia Elétrica, IFRS 9.

Resumo

Objetivo: Identificar o impacto da adoção do IFRS 9 (CPC 48) nas Perdas Esperadas em Crédito de Liquidação Duvidosa (PECLD) antes baseadas em perdas históricas conforme o CPC 38.

Metodologia: Pesquisa documental, exploratória, com todas as empresas do setor de energia elétrica listadas na Bolsa de Valores do Brasil, denominada, Brasil, Bolsa, Balcão (B3) dos segmentos Novo Mercado (NM), Nível 1(N1) e Nível 2 (N2) de governança corporativa. Analisando as PECLDs divulgadas nas demonstrações financeiras, principalmente notas explicativas (NE) de 2017 e primeiro trimestre de 2018. Para as empresas que divulgaram estes ajustes foram realizados os testes de comparação de média de Wilcoxon e o diagrama de Boxplot.

Resultados: Os resultados mostraram que nem todas as empresas analisadas divulgaram em suas NEs os ajustes e os critérios de contabilização das PECLDs, conforme o CPC 48, e as que divulgaram não demonstraram impacto significativo na adoção do novo CPC.

Contribuições do Estudo: Este artigo contribuiu para a reflexão, compreensão e análise sobre a adoção, impacto e avaliação empírica dos efeitos dos modelos de perdas esperadas em empresas do setor elétrico, corroborando os efeitos da Norma CPC 48 (IRFS 9) nas demonstrações financeiras das empresas classificadas como Novo Mercado, podendo ser úteis ao processo de regulação do segmento, na tomada de decisões e possível compreensão de seus potenciais efeitos, particularmente na adequação das normas multinacionais. Foi verificado se as alterações nas métricas de mensuração de PECLD podem resultar em impactos no resultado do exercício apurado, assim como alterações no valor líquido do ativo circulante, ambos componentes relevantes para tomada de decisão. Tal verificação é relevante para os gestores das empresa e investidores, para segurança em relação a manutenção da forma de verificação de desempenho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Thatyana Aranda da Rocha Branco Alcantara Alves, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP

Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais (PUC-SP) 2019. Pós graduada em Auditoria Integral (UFPR) e Gestão Financeira pela (FGV). Formada em Ciências Contábeis pela Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas de Rolândia (2002). Experiência profissional nas áreas de Auditoria, Análise de Crédito e Docência em graduação e pós graduação na área de Ciências Contábeis. Atualmente empresária - SUBWAY e PARMEGGIO.

Maria Paula Ribeiro Bordin, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP

Mestranda de Ciências Contábeis e Atuariais  - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP

Alexandre Gonzales, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP

Doutor em Controladoria e Contabilidade - FEA/USP. Professor do programa de Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP

Fernando de Almeida Santos, Doutor em Ciências Sociais - PUC/SP.

Doutor em Ciências Sociais  - PUC/SP. Professor do programa de Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP

Referências

Beuren, I. M. (2006). Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: Teoria e prática. (3ª ed.) São Paulo, SP: Atlas.

Bouvatier,V. & Lepetit, L. (2008). Banks procyclicality behaviour: does provisioning matter? Journal of International Financial Markets, Institutions and Money. v.18, n. 5, p. 513-526.

Cipullo, N. & Vinciguerra, R. (2014). The impact of IFRS 9 and IFRS 7 on Liquidity in Banks: Theoretical Aspects. Procedia – Social and Behavioral Sciences. v.164, p.91-97.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis.(2018). Pronunciamento Técnico CPC 48 Instrumentos Financeiros, Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade – IFRS 9. Recuperado em 24 setembro, 2018, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/530_CPC_48.pdf

———. Pronunciamento Técnico CPC 38 (2009). Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade – IAS 39. Recuperado em 24 setembro, 2018, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/406_CPC_38_rev%2012.pdf

R Core Team, (2018). R A language and environment for statistical computing. Vienna, R Foundation for Statistical Computing. Recuperado em 26 de novembro de 2018, de http://www.R-project.org/

Dantas, J. A.; Micheletto, M. A.; Cardoso, F. A. & Freire, A. A. P. F. S. (2017). Perdas em Crédito nos Bancos Brasileiros:Modelos de Perdas Esperadas e de Perdas Incorridas e Impactos da IFRS 9. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v.7, n.2, p.156- 175.

Fonseca, A. R. & Gonzalez, F. (2007). Cross-country determinants of bank income smoothing - by managing loan-loss provisions. Journal of Banking & Finance, v.32, n.2, p.217-228.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa (5ª ed.). São Paulo, SP: Atlas.

IASB (2010). Internacional Accounting Standards Board. IFRS 9 – Financial Instruments.

IASB (2012). Internacional Accounting Standards Board. Exposure Draft ed 2012/4 Classification and Measurement: Limited Amendments to IFRS 9 (Proposed Amendments to IFRS 9 2010).

Iudícibus, S.; Martins, E.; Santos, A. & Gelbcke, E. R. (2018). Manual de Contabilidade Societária (3ª ed.). São Paulo, SP: Atlas.

KPMG (2016). IFRS 09 - Instrumentos Financeiros: Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor não recuperável. Recuperado em 18 de novembro, 2016 de https://assets.kpmg.com/content/dam/kpmg/pdf/2016/04/ifrs-em-destaque-01-16.pdf

Loesch, C. (2012). Probabilidade e Estatística. Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Lopes, A. B. & Martins, E. (2007). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. (2. reimpr.). São Paulo, SP: Atlas.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2015). Fundamentos de metodologia científica. (5ª ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Martins, G., A. & Theophilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo, SP: Atlas.

Marton, J. & Runesson, E. (2017). The predictive ability of loan loss provisions in banks – Effects of Accounting standards, enforcements and incentives. The British Accounting Review. V.49, n.2, p.162 – 180.

Mazzon, J. A. (1981). Análise do programa de alimentação do trabalhador sob o conceito de marketing social. Tese de Doutorado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Novotny, F. Z. (2016). The Interaction of IFRS 9 Expected Loss Approach with Supervisory Rules and Implications for Financial Stability. Accounting in Europe Journal. v.13, n.2, p 197 – 227.

Onali, E. & Ginesti, G. (2014). Pre-adoption market reaction to IFRS 9: A cross-country event- study. Journal of Accounting and Public Policy. V.33, n.6, p. 628-637.

Sayed, S.; Souza, E. B. M.; Costa, J. A. & Tancini, G. R. (2013) Simulação dos Impactos da Alteração da Norma Internacional de Instrumentos Financeiros (IFRS 9) nos Maiores Bancos Brasileiros. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1.

Trimble, M. (2018). A reinvestigation into accounting quality following global IFRS adoption: Evidence via earnings distributions. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation. v.33, p.18 – 39.

Publicado
03-01-2020
Como Citar
ALCANTARA ALVES, A. T. A. DA R. B.; BORDIN, M. P. R.; GONZALES, A.; SANTOS, F. DE A. O impacto da adoção do IFRS 9 (CPC 48) nas perdas esperadas em crédito de liquidação duvidosa (PECLD) nas empresas brasileiras do setor de energia elétrica. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 1, p. 21-43, 3 jan. 2020.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)